quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Nacionalismo e Populismo em Portugal

«...o nacionalismo é a ética para a qual cada nação, enquanto nação, constitui um valor supremo. Volto a expô-lo agora visto que, sem um entendimento mínimo sobre o conceito de nacionalismo, corremos o risco de o aceitar acriticamente nos termos mesmos em que o entendem os seus inimigos.»
Bruno Oliveira Santos em Nova Frente
 
Na próxima Segunda-Feira, 10 de Agosto, às 21:15, o Grupo Viriatos promove uma palestra subordinada ao tema Nacionalismo e Populismo em Portugal. O orador convidado é Bruno Oliveira Santos, autor de obras como Nova Frente e Histórias Secretas da PIDE/DGS. Esta apresentação será feita através da plataforma digital “Zoom”, pelo que os interessados deverão efectuar a sua inscrição prévia. 
Para o fazer, basta escrever para g.viriatos@gmail.com, enviando o nome e endereço de correio electrónico. Posteriormente, durante a tarde de Segunda-Feira, será enviada uma mensagem a todos os inscritos com a ligação através da qual poderão aceder a esta apresentação. 
A inscrição e participação são gratuitas, mas a sessão tem um limite máximo de apenas 100 pessoas. Garanta já o seu lugar e participe.

(Clicar na imagem para ampliar.)
(Clicar na imagem para ampliar.)

segunda-feira, 27 de julho de 2020

A herança de António de Oliveira Salazar

Neste dia, há 50 anos, a alma de António de Oliveira Salazar repatriava-se em Deus. Para trás deixou-nos um impressionante trabalho de restauração nacional, concretizado graças a um esforço assente em três grandes pilares: inteligência, integridade e dedicação. Último chefe providencial da velha Europa, recuperou a respeitabilidade internacional da Nação Portuguesa, recuperou a contas públicas, industrializou o país, desenvolveu a Saúde e a Educação, criou inúmeras infra-estruturas públicas, desenvolveu as várias redes de transportes, possibilitou o regresso da cultura nacional aos lugares cimeiros das elites europeias, entre inúmeros outras concretizações. Figura incontornável e inexcedível da nossa História, legou-nos, para além da sua obra política, um pensamento pleno de actualidade, do qual qualquer governante contemporâneo poderá ainda hoje retirar os melhores exemplos e ensinamentos.     
A edição da passada Sexta-Feira do semanário O Diabo trouxe um excelente artigo de Marcos Pinho de Escobar no qual o investigador analisou, criteriosamente, o legado, material e espiritual, de António de Oliveira Salazar. Um bonita evocação, autêntica, corajosa e descomplexada, capaz de levar a luz da verdade às trevas originárias das mentiras dos delatores hodiernos. 

(Clicar na imagem ampliar.)

sexta-feira, 24 de julho de 2020

Salazar na Argentina

Entre os vários países em que se verifica um aumento do interesse pelo pensamento e a obra de António de Oliveira Salazar, a Argentina destaca-se entre os primeiros. Esta semana, nas vésperas do 50.º aniversário da morte do arquitecto do Estado Novo, ocorrida a 27 de Julho de 1970, o canal de televisão argentino TVL1 evocou a memória do nosso antigo Presidente do Conselho, dedicando-lhe uma merecida homenagem. 
Juan Manuel Soaje Pinto, apresentador do programa Contracara, entrevistou Marcos Pinho de Escobar, doutor em Ciência Política e autor da obra Perfiles Maurrasianos en Oliveira Salazar. Especialista em pensamento contra-revolucionário e temas tradicionalistas, o investigador português analisou a actualidade da obra, pensamento e exemplo de António de Oliveira Salazar. Um testemunho pleno de rigor e saber, capaz de aportar interessantes subsídios à releitura e reinterpretação desta fantástica personagem da História de Portugal.


Programa de homenagem a António de Oliveira Salazar, nos 50 anos da sua morte.

terça-feira, 14 de julho de 2020

António Quadros faria hoje 97 anos

Conforme várias vezes referido, António Quadros foi, provavelmente, o rosto mais visível da Filosofia Portuguesa. Terá pesado para isso, não a sua ascendência familiar, sendo filho de António Ferro e Fernanda de Castro, mas sim a sua obra e legado, o seu carisma, dom para a comunicação, afável personalidade e extrema generosidade. 
Privou entre os maiores do seu tempo e com eles contribuiu para o aprofundamento e divulgação da  nossa História, Cultura e Filosofia. No campo dos estudos pessoanos foi, juntamente com Dalila Pereira da Costa, o principal hermeneuta do nosso poeta modernista, co-organizando com a autora de O Esoterismo de Fernando Pessoa a monumental edição de Obras Completas de Fernando Pessoa, publicada em três volumes de papel bíblia pela Lello Editores. Era um homem extremamente activo do ponto de vista intelectual, abraçando a sua obra com a maravilhosa predisposição de um missionário. Assumia que escrevia para aprender e que aprendia escrevendo. A sua singularidade tornou-o, à hora da sua morte, num homem insubstituível, amado e, por isso mesmo, saudoso. 
Em 2020, ano em que se publicou a primeira edição integral da sua obra Portugal, Razão e Mistério, contendo os dois volumes já publicados e um terceiro que, até agora, se encontrava inédito, cumprem-se também os 97 anos do seu nascimento. Desse modo, hoje, para relembrar o aniversário de António Quadros, partilhamos um belíssimo texto lavrado pela pena da sua filha, Rita Ferro, publicado a 3 de Abril de 1993, no jornal Semanário, dias depois da sua morte.
«Era um homem bizarro: inquietava-o o enigma do ser, falava de Cristo com admiração, exaltava-se com a Poesia e levava a sério as crianças – tinha o direito de se fascinar mais com ideias do que com automóveis. Vestia-se como os outros para não dar nas vistas, falava em voz baixa numa língua estranha, contrariava os seus instintos até aos limites e aprendeu tudo o que havia a aprender na vida para experimentar sozinho a dor da limitação humana. Ao mesmo tempo que se deixou arrebatar pelas pedras e pelas árvores, teve amigos feios, com caspa nos ombros e gravatas amarrotadas. Era tão crédulo e infantil que comovia: alugava a primeira casa que lhe impingiam, subscrevia revistas para ganhar o relógio digital e passava cheques aos amigos sem qualquer apreensão; no fundo, no fundo, achava o dinheiro um trambolho. Estava-se a borrifar para que os seus livros se não vendessem, porque não tinha pressa. Não precisava de se ter calado para que a sua voz se ouvisse, mas a culpa foi dele: preferiu sussurrar as suas ideias e cantar alto as dos outros. Inflamava-se com Homero e Sófocles, Camões e Shakespeare, Pascoaes e Pessoa, mas não fazia troça dos aspirantes ao Dom - tinha uma bondade disponível para companheiros e discípulos. Não era desconfiado como os aldrabões e apertava a mão aos adversários porque se esquecia das ofensas. Acreditava em coisas estranhas: que os contos de fadas não eram mentira, que havia uma transcendência nos homens e na História, que o seu País era eleito e os seus compatriotas homens de bem. Desgostava-se com a pobreza espiritual desta geração, vestia luto pela Natureza como qualquer de nós, mas tinha uma Fé inquebrantável na fraternidade universal e cósmica. Arranjou tempo para tudo: ajudar desconhecidos, fundar uma escola, jogar à bola com os netos, dissolver as vaidades. Uns, chamavam-lhe sábio, outros, maçador, mas ele não se ralava porque via "para além do Espelho", como só os poetas, os pensadores e talvez as crianças. Devia ser bom, porque foi amado pela mulher durante cinquenta anos. Partiu um dia "num barco em cuja vela branca se via uma cruz vermelha", e o bem mais valioso que deixou à família foi Portugal. No cais, foi enternecedor encontrar todos os seus amigos e todos os seus inimigos de lenço na mão, a acenarem com a mesma saudade e a mesma vergonha. Apesar do nevoeiro, o nevoeiro mítico onde tantos heróis e poetas se perderam, houve pessoas que juram ter visto uma estrela enorme a piscar o olho.»
Nascido a 14 de Julho de 1923, António Quadros completaria hoje 97 anos de vida.

sábado, 13 de junho de 2020

A Guerra da Restauração na blogosfera

Com o regresso à actividade da Nova Casa Portuguesa, não poderíamos deixar de visitar os singulares recantos dos nossos velhos amigos e camaradas da blogosfera. Assim, a primeira dessas visitas não poderia deixar de ser ao mítico Eternas Saudades do Futuro. O seu autor, João Marchante, para além de reconhecido esteta, cultiva uma belíssima prosa, tanto na forma, como no conteúdo. Resiliente e corajoso, ao ponto de manter o seu blogue ininterruptamente activo desde 2007, prossegue com o seu pedagógico labor de divulgação e firmamento da cultura e identidade nacional.
Sempre atendo às movimentações culturais destas trincheiras digitais, publicou há poucos dias uma interessante nota informativa a propósito de um outro fenómeno de longevidade na blogosfera lusa. Referimo-nos ao blogue de História Militar chamado Guerra da Restauração. Um espaço dedicado à divulgação de conteúdos históricos, eventos e publicações consagradas à temática da nossa Guerra Restauração ou da Aclamação,  ocorrida entre 1641 e 1668. Jorge Penim de Freitas, autor desse blogue, é Professor e investigador na área da História Militar, membro do Conselho Científico da Comissão Portuguesa de História Militar e autor de inúmeras obras e artigos relativos ao tema em questão. Por isso, não deixem de conhecer e explorar esta importante fonte de recursos para a compreensão da nossa Guerra da Restauração. 

(Clicar na imagem para aceder ao blogue Guerra da Restauração.)

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Il Mistero della Saudade

«Non possiamo negare che la Saudade sia un sentimento. Dove ci porta questa misteriosa parola che coinvolge l’ethos del popolo portoghese? Qual è la sua dimensione filosofica, ontologica, esoterica, metafisica, religiosa e mitico-spirituale che ha ispirato i re, gli eroi, i santi, gli scrittori, i poeti e gli artisti? La Saudade come si relaziona con i sentimenti di amore, passione, gloria e all’ardito sentiero spirituale nei confronti della Patria? In questa puntata cercheremo di portare un po' di luce su questo mistero dell'anima del popolo portoghese.»
(Clicar na imagem para ampliar.)

O programa Extremo Ocidente, da RBN (Radio Bandiera Nera), apresenta, no próximo Domingo, 14 de Junho, às 12:00, uma emissão subordinada ao tema Il Mistero della Saudade. Em estúdio, com o anfitrião Guido Bruno, estará o investigador José Almeida, vice-director da revista Nova Águia.
O programa poderá ser escutado em www.radiobandieranera.org, ficando, posteriormente, disponível em podcast naquela mesma página. Não percam.